segunda-feira, 3 de agosto de 2009

Eu sou sua menina, viu?


Pode me ignorar, pode continuar jogando essa fumaça no ar, pode! Só você sabe o quanto e quando você pode. Pensa que eu não sei que esse é o seu joguinho? Ora, Chico, desde que me conheço como sua gente, me derreto quando põe a mão tampando um dos seus oceanolhos, quando canta baixinho, quando dá meia volta numa caminhada na praia... Eu vou te seguir onde quer que você vá, vou ser seu prato do dia, seu pra todo dia ou qualquer outra forma de me definir como sua refeição. Ah, Chico, não faça de conta que não me ouve! Larga essa fumaça e vem para cá... Venha ver o bem que você faz ao meu corpo...

5 comentários:

Le Chanceux disse...

Quando sentar ao lado dele, pega a taça de vinho com classe, faz que vai beber e não bebe. Diz que não consegue provar outra coisa que não seja Chico! hahahhshuas :P

André B. Tosello disse...

Uma biba amiga me disse uma vez que o Chico batia na Marietta chegando em casa bêbado. Acabou com o romatismo. Guardei o Malandro e a imagem do amante perfeito que um dia fiz com minha fertil imaginaçao!

Larissa disse...

Todo mundo querendo tirar uma lasquinha do meu homem!

Matheus Sobral. disse...

Pra mim, a música me basta heuehe.

quandoseprosapoesia disse...

Ah, esse Chico não sabe a sorte que tem. E não sabe o que está perdendo.

;-)

--
OBS: Tá lindo o layout do blog, Mandinha. E os conteúdos, idem; como sempre. Faz tempo que não venho aqui. Tô meio de bode com blogs... Sei lá. Mas volto! Claro. Beijão, lindona.