quarta-feira, 26 de agosto de 2009

Pausa dramática no relógio dele.

Hoje foi a vez dele estar no bar. Motivo número um: ele tinha que esperar dar 12:30 para ir embora. Motivo número dois (o mais lógico): ela. Sim, ele sabia que era improvável a presença dele ali, mas nunca se sabe, não é mesmo? 12:01, 12:01, 12:01... Olha para o lado, ri de alguém com algum jeito estranho de andar. 12:02. 12:02, 12:02... Pega um caderninho, escreve uma besteirinha e volta para as horas. 12:03, 12:04, 12:04... É, acho que o tempo brinca com as pessoas. 12:05! Pronto, agora ela chega. Olha para o lado e... nada. 12:05, 12:06, 12:06, 12:06... Puta que pariu, foi o que ele pensou. 12:07, 12:07... Deve ser agora... Devia, mas não foi. Pegou um livro, começou a se destrair. Afinal, o tempo brinca com as pessoas. A hora passou. 13:05, já era para ter ido embora. Pagou as duas cervejas, deu um gole rápido no último copo e saiu correndo. Como já disse: o tempo brinca com as pessoas, já era hora dele se tocar que já devia estar em casa.

3 comentários:

Carol ! disse...

esse bar tem história, viu!

André disse...

corre, corre, corre! despara o coração!

Bruna Tenório disse...

exijo a continuação dessa história, ok! haha