terça-feira, 6 de outubro de 2009

Tereza prolixa.

"Maluco de poema beleza"
Sem cabeça e sem pé
Foi o que Tereza disse.

Tereza sabe muito
e sabe pouco.
As coisas estão na frente
e Tereza não enxerga.
É tudo tão simples, Tereza...

Avisa a Tereza
que a vida dela não é
dadaísmo.




Obra: Cinzas, do querido Munch.

Comentário da Autora (Risos): Caso não me entendam, Tereza é confusa - tão confusa ao ponto de não ver que tudo é tão simples.

8 comentários:

Carlos Howes disse...

A confusão bem de dentro. Tão pouco, a luz.

Belo escrito.

Dandara disse...

tô me sentindo tereza.

Vitor Andrade disse...

tô me sentindo tereza.[2]

lucas disse...

nossa, adorei esse. e tô numa fase bem "quero dadaísmo". talvez seja porque estou estudando realismo e naturalismo em literatura. ou não.

disse...

Por favor, alguém avisa a tereza, e se sobrar tempo, me avisem também!

Céu. disse...

tá lindo o layout *-*

Ibsen Sena disse...

Teamandareza.

Matheus Sobral. disse...

Todo mundo se sente tereza de vez em quando.