quinta-feira, 24 de setembro de 2009

C'est la vie, mon'amour.

Na foto: minha prima Lara, ontem na praia

- Mamãe, leva pra lá? - apontou para o mar.
- Levo, minha bebê.
- Mamãe, isso dodói?
- Isso? Água?
- Aham.
- Não, filha. Só se você for para lá - apontou para o fundo do mar.
- Ahh...
- Mãe, chão.

Ao coloca-la no chão, Ester quis aproveitar as pequenas ondas para pular sobre elas. Entre um pulo e outro, uma pequena queda. O mais interessante, não foi o fato dela ter levantado sem chorar, foi o questionamento sobre algo que eu nunca ouvi uma criança perguntar.

- Mãe, porque cai?
- Porque você se desequilibrou, filha.
- Quando a gente cai, a gente levanta (pequeno riso).
- Sim, filha!
- Porque, mamãe?
- Um dia você vai entender...
- Mas a gente sempre cai e levanta, né, mamãe?
- C'est la vie, mon'amour. C'est la vie...

Ester voltou a brincar com as ondinhas e eu fiquei pensando... A vida é cheia de altos e baixos. Melhor que sempre que tem um "baixo", a gente se acaba, mas levanta. C'est la vie, c'est la vie...

Obs: "C'est la vie" = "É a vida!"
Obs 2: Nada disso citado no texto aconteceu. Esse foi mais um fruto da minha querida imaginação (que tem ficado cada vez mais fértil).
Obs 3: Não estou conseguindo comentar em alguns blogs - antes que alguém pense que não dou valor aos textos dos outros.

8 comentários:

Ibsen Sena disse...

muito bom mainha...

HBMS disse...

*-*!

Vitor Andrade disse...

"C'est la vie"!
Me perdoe a falta de poesia, mas vc é foda!

milks disse...

que texto mais encantador, amanda.
beijos!

.tai. disse...

Tão doce e tão verdadeiro. Me fez pensar na minha infância, quando eu tinha medo das ondas :p
bjus

Bruna Tenório disse...

Caramba, sou viciada em seus textos!

Larissa disse...

C'est la vie sim. É assim.

Maiara. disse...

lindo.