terça-feira, 24 de novembro de 2009

Rua Arlindo Amoroso, um pé de pimentas.

E era lá que moravam Beto, Bito e Buto. Três pimentinhas! Tinham mania de perturbar qualquer um. Não tinham pena nem do Presidente da República, que uma vez ou outra aparecia num quartel não tão distante da morada deles. E é uma dessas passagens do presidente que irei relatar para vocês. Afinal, foi um marco na vida daqueles três. Agora marque na mente de vocês a seguinte cena: uma piscina grande, uma ponte sobre ela, entrada do quartel após a ponte, uma mangueira com mangas maduras, sol, calor, o Presidente, os três meninos e os soldados marchando. Gravou isso? Então posso apertar o play.
Era corriqueiro ver aqueles três tomando banho na piscina que era proibida. Por ser proibida e por serem do jeito que eram, eles entravam. E como sempre eram expulsos. Corriam mais que o bicho mais rápido que existe nesse mundo.
Mas nesse dia... Ah! Esse dia! Chegaram cedinho lá. Na hora em que os soldados marchavam para exibir não-sei-o-que para o Presidente.

Beto: - Ê, é hoje! É hoje!
Bito: - MARCHA SOLDADO! CABEÇA DE PAPELÃO!

Os três se abaixavam, segurando a respiração para não serem "descobertos". De repende, ouviu um silêncio. Aqueles que dão arrepios! A marcha voltou. Foram para debaixo da ponte, precisavem respirar. Respiraram olhando para cima, fato que fez Buto observar as mangas prontas para serem aproveitadas.
Como falo de Beto, Bito e Buto, essas mangas serviriam para alguma peça. E dito e certo. Com ajuda de umas pedras, derrubaram umas cinco.

Bito: - MARCHA SOLDADO! CABEÇA DE PAPELÃO!

Buto jogou três mangas em um soldado. Se abaixaram e foram para debaixo da ponte. Voltaram.

Os três: - MARCHA SOLDADO! CABEÇA DE PAPELÃO!

Aí o Presidente se irritou e foi o primeiro a gritar:

- PEGUEM ELES! AGORA!

Uns quinze soldados correndo atrás das três criaturas. E risada pra lá, e grito para cá... Como alguns dizem: um verdadeiro bafafá! Como todo lugar que tem água, tem lugar que escorrega. E pior: cairam os três! Que nem as mangas que caiam quando o vento passava. E para o azar dos três, foram pegos. Seis soldados para pegar os três: era um para segurar pelas mãos e outro para segurar pelas pernas.Como eram três, foi preciso seis homens, como já disse.
E choravam, pediam pelo-amor-de-Deus, chamavam pela mãe, pelo pai, pelo tio, pela prima e os soldados não soltavam o prêmio. Levou os três para um quarto escuro.

- Onde você mora? - Perguntou um dos soldados.
- Na Rua Arlindo Amoroso, casa três... - Bito falou desesperadamente.

Não demorou vinte minutos para mãe dos três chegarem ao local. E foi a mesma que tomou a bronca pelos meninos... Sendo que eles fingiam brincar na rua de Carlinhos, que ficava a dois minutos da casa deles.

Soldado: - Da próxima, verá o que vai acontecer com vocês! Serão presos, entenderam? Presos!

Afirmaram com a cabeça e com lágrimas caindo sem parar. Passaram dias e eles ficaram quietos. A rua toda estranhou. Perguntaram se havia doença no meio, se resolveram mudar, se alguém fez algo neles e eles calados. Mas como eles adoravam perturbar e eram do jeito que eram, voltaram a bagunçar. Dessa vez na praia, afinal, ficaram com trauma de piscina e soldados marchando.

Para minha aluna Mariana.

Só para constar, não sei o que anda acontecendo comigo, mas meus textos não conseguem mais serem curtos. No mais, postei no Amanda O. Fotografou: http://enquantoissoeufotografo.blogspot.com/

Um abraço em todos.

10 comentários:

Vitor Andrade disse...

hahahahahaha
Me apresenta a Beto, Bito e Buto?

Maiara. disse...

se fuderam auhsuahsueuahs

Murilo disse...

HUASHUASHUASHUASHUASHU
É a inspiração que vem de vez! HUASHUASHUAS

Caraaaaaaaaaaaai, texto feliiiiz XD
E como sempre uma belezura, sô!

bjoooo

Danilo Augusto disse...

Olha, olha, um texto diferente.
Porque já estava começando a achar que existe um modelo único para textos de blog.
Muito bom.

Pode voltar quando quiser, vizinha.
Tenho açúcar, farinha, essas coisas amigáveis.

Um abraço

Ginha disse...

oooo muito legal o texto, gostei mesmo. os nomes são ótimos :D

Marcelo Mayer disse...

olá! tudo bem? obrigado pela visita e meu blog, ams qual comentário meu te chamou a atenção? juro que não me lembro. são tantos por ai. rs

enfim

e gostei daqui. o final foda. gosto de humor nessa maneira. meio sarcástico, não?
além do ais, na praia serão apenas mais alguns banhistas

mais uma vez, obrigado pelo "oi"

Cristiano Contreiras disse...

Carissima, já conhecia teu universo aqui e hoje decidi ler melhor, experimentar e comentar:

- Bom visual e proposta
- Gostei da forma como conceitua seu espaço!

Sou seguidor, volto mais, abs

Matheus Sobral. disse...

heuehueheueheuehueheue
Provavelmente a praia será o próximo trauma, e eles vou mudar pro supermercado. Criança assim não para nunca xD

Fiquei curioso pra saber sua história pior que a minha heuehuee. Te adicionei no msn já XD

Sentilavras disse...

Que legal! Então vc é professora?!

Agatha disse...

O que seria da vida de uma criança sem pentelhices? UAHSAHSHAUHS

Um beijo.