segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

A vizinha suicidio.

Na foto: minha querida Vanny.

Eu, como boa observadora, tenho pelo menos 30 minutos do meu dia para ver a vida dos outros. Sim, isso mesmo. Da janela vejo quem tá passando lá em baixo, quem tá namorando na janela, que roupa a perua do outro prédio resolveu usar no dia... Enfim: o cotidiano. Só que ontem... Nossa! Aconteceu o inusitado: eu vi uma cena de arrepiar! Típico de um drama daqueles que viram um clássico.
Até onde eu vi, ela tinha um certo caso com um certo alguém. Bom, não tão certo alguém porque eu via homens diferentes entrando lá... Voltando ao foco, tinha um que frequentava com mais frequência que os outros.
Alto, cabelo castanho, roupas escuras e uma garrafa na mão. Era assim que ele entrava no apartamento. Ela,ou se arrumava toda ou estava seminua, afinal, é bom diferenciar para essas coisas, né? Ele entrava, o som aumentava e as cortinas se fechavam. Logo: eu não posso contar o que acontecia, pois eu não via e só previa.
Mas anteontem, a cortina não se fechou e eu continuei olhando (como já contei, tenho mania de tirar alguns minutos do dia para ver o que se passa no mundo - pelo menos na minha rua, vale ressaltar). Ele entrou, mas sem a garrafa dessa vez. Entrou sem as roupas escuras, com a barba pra fazer e ela estava como sempre estava enquanto o esperava. Ele não passou da porta e ela parecia gritar. Gritava frenéticamente, sacudia os braços, dava voltas pela sala e ele o tempo todo intacto. Aí ele entrou, bateu e saiu. Aí ela gritou, chorou e o rádio ligou.
Então, ao som de Maria Bethânia e alguns rodopios, ela se lamentava pelo que acontecia. Passou para o lado que eu não conseguia ver, voltou e parou virada para a parede da porta e Maria cantava "Vem que eu te quero fraco / Vem que eu te quero tolo / Vem que eu te quero todo meu" e aí que eu vi uma arma, um tiro para cima e um não-suicídio, afinal, a autora está cansada de ler textos com suicídios previsíveis.

11 comentários:

Anderson disse...

E o tiro acertou Zé, o vizinho de cima - que não tinha nada a ver com a história - enquanto ele expremia uma espinha no espelho do banheiro.

Conto legal! =p

Flor disse...

É, simplesmente, perfeito.

Dias disse...

Você foi testemunha ocular de uma tentativa de repressão emocional que essa mulher cometeu contra aquele pobre homem.

Tatiane Trajano disse...

E eu fico me perguntando o pq da Bethânia estar sempre presente nesses momentos sentimentais.

adoro!

HNETO disse...

Atirar para cima
nunca será uma
bala desperdiçada.

[ rod ] ® disse...

O morrer literalmente deixa a literatura previsível. Nela bom mesmo é morrer lentamente. bjs moça!

Murilo disse...

*-*

Sempre surpreendendo com os textos!

Adorei!

E Betânia me parece realmente uma boa trilha de não-suicídio! UHHUASUHASUH

.tai. disse...

Adoro seus finais surpreendentes.
bjus

Deize Almeida disse...

Muito bom e bela canção de Chico.

Saudações,
Deize.

Madame Morte disse...

É legal ver quanto as pessoas são tão peculiares e ao mesmo tempo tão iguais...somos todos humanos.Desequilibrados, previsíveis, imprevisíveis, vivendo pra morrer.

E não sei se o melhor ou o pior de tudo, é que perdemos boa parte do nosso tempo observando as pessoas...e muitas vezes acabamos por nos apegar a certos rostos e corpos.

Somos uns degenerados!!

rsrs

Miih Lavigne disse...

Muito bomm gosteii.. ^^ Vc presenciou uma mulher frenetica querendo atenção -S..
Adoreii o blog, seguindo ;*